FECHAR
CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:
1) Curso de Formação de Missionários Clique Aqui
2) Curso de Qualificação MinisterialClique Aqui
3) Curso Básico em Teologia - Clique Aqui
4) Curso de Secretariado para Igrejas Clique Aqui
5) Capacitação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
6) Curso Avançado de Escatologia Bíblica - Clique Aqui

ESTUDE A BÍBLIA À DISTÂNCIA
CLIQUE AQUI
 

A análise do tema “batalha espiritual” no presente capítulo enfoca o conjunto de crenças e práticas neopentecostais que alcançou espaço considerável em nosso meio. Trata-se da doutrina da maldição hereditária, da teoria dos espíritos territoriais e da ideia de expulsar demônios dos próprios crentes em Jesus. São inovações provenientes de várias fontes: erros de interpretação de textos bíblicos, experiências pessoais e revelações de origem estranha. Trata-se de distorção doutrinária que está muito em voga na mídia evangélica e nos últimos anos vem recebendo aceitação de muitos líderes desavisados.

A REALIDADE DA BATALHA ESPIRITUAL
A autêntica batalha espiritual tem fundamentos bíblicos: “todo o mundo está no maligno” (1 Jo 5.19). Mas nem tudo o que se diz ser batalha espiritual tem sustentação bíblica. Por isso a necessidade de entender como o assunto é apresentado na Bíblia. Como veremos, há passagens que descrevem esse tipo de batalha no Antigo e no Novo Testamento.

No Antigo Testamento, o relato que trata da deliberação sobre a guerra contra Ramote-Gileade registrado em 1 Reis 22.10-28, e a passagem paralela de 2 Crônicas 18.5-27 mostra uma cena dramática do embate entre o falso profeta Zedequias liderando um grupo de 400 falsos profetas e o profeta de Deus, Micaías. Era uma batalha espiritual, uma disputa do reino das trevas contra o reino da luz.

Os três capítulos iniciais do livro Jó revelam outra batalha: o próprio Satanás ousa desafiar Deus usando o patriarca Jó. Não que o diabo tenha poder para medir forças com Deus; esse dualismo não existe na Bíblia entre Deus e Satanás. Mas Deus permitiu a Satanás tirar tudo de Jó, desde os filhos até os bens materiais e por fim até mesmo a saúde. Satanás está vivo e ativo no planeta Terra, mas Deus tem testemunhas fiéis que limitam essa atuação satânica. Jó é um exemplo clássico dessa realidade.

No Novo Testamento, o exemplo mais conhecido é a tentação de Jesus no deserto registrada nos evangelhos sinóticos (Mt 4.1-11; Mc 1.12, 13; Lc 4.1-13). Situação dessa natureza aparece com certa frequência nos evangelhos (Mt 12.22; 17.19, 21). O apóstolo Pedro teve de enfrentar Simão, o mágico em Samaria (At 8.9-24), e da mesma forma o apóstolo Paulo enfrentou várias vezes essas hostes malignas (At 13.8-11; 16.16-22; 19.11-19). Paulo fala sobre a existência de um mundo espiritual da maldade sob o domínio do príncipe das trevas (Ef 2.2; 6.10-12).


Esses exemplos são suficientes para apontar a existência da batalha espiritual nas Escrituras Sagradas. Como contextualizamos o assunto, então? Trazendo a realidade para nossos dias, a batalha espiritual consiste na oposição dos cristãos às forças malignas pela pregação do evangelho, pela oração e pelo poder da Palavra de Deus. Essa peleja vai continuar até a vinda de Jesus.

É verdade que no trabalho da pregação do evangelho ocorrem muitos fenômenos inexplicáveis. Reconhecemos que os demônios existem, são reais e se manifestam de várias maneiras, principalmente nas pessoas possessas. Tais espíritos precisam ser expulsos. É verdade que oração e jejum são indispensáveis e muito importantes na vida do crente, principalmente quando nos encontramos numa situação como essa. Nesse aspecto, a teologia da batalha espiritual está de acordo com as Escrituras Sagradas. Os fatos estão registrados na Bíblia, e nenhum cristão ousa negar essa realidade.

AS EXTRAVAGÂNCIAS DA SUPOSTA BATALHA ESPIRITUAL
Existe uma onda extravagante surgida na década de 1960 que tenta se passar por batalha espiritual. Infelizmente essa inovação ainda não foi erradicada de nosso meio. O que se vê nesse novo movimento é uma aberração doutrinária que tem levado muitos à incredulidade e outros ao fascínio quase esotérico. São crenças e práticas muito próximas do esoterismo e do ocultismo.

1. A doutrina da maldição hereditária
Os expositores dessa doutrina afirmam que seus ensinos têm apoio bíblico e pinçam a Bíblia em busca de versículos aqui e acolá na tentativa de consubstanciar as novidades apresentadas ao povo. A doutrina resume-se nisso: se alguém tem problemas com adultério, pornografia, divórcio, alcoolismo ou tendência suicida, é porque alguém de sua família, no passado, não importa se avós, bisavós, tataravós, teve esse problema.
Segundo essa doutrina, a pessoa afetada pela maldição hereditária deve, em primeiro lugar, descobrir em que geração seus ancestrais deram lugar ao diabo. Uma vez descoberta tal geração, pede-se perdão por ela, e, dessa forma, a maldição de família será desfeita. Uma espécie de perdão por procuração, muito parecido com o batismo pelos mortos praticado pelos mórmons.

Basta uma leitura na Bíblia, ainda que superficial, para ver com clareza a fragilidade dessa doutrina, a começar pela história de Caim e Abel. Ambos eram filhos dos mesmos pais, receberam a mesma educação religiosa, entretanto um era fiel, e o outro, ímpio (1 Jo 3.12). O que dizer de Jacó e Esaú, irmãos gêmeos, educados no mesmo lar? Aquele recebeu a bênção porque este a trocou por um prato de comida (Ml 1.2; Hb 12.16, 17).

Não existe na Bíblia registro de profeta ou apóstolo praticando ou ensinando orações ou atos litúrgicos para quebrar a maldição de Caim ou de Esaú.


A Bíblia revela que nem sempre o filho assimila o pecado do pai. Há muitos exemplos na história dos reis de Israel e de Judá registrados nos livros dos Reis e das Crônicas. O rei Amom “fez o que era mal aos olhos do SENHOR” (2 Cr 33.22); no entanto, o rei Josias, seu filho: “[...] fez o que era reto aos olhos do SENHOR e andou nos caminhos de Davi, seu pai, sem se desviar deles nem para a direita nem para a esquerda” (2 Cr 34.2).

Os principais expoentes dessa doutrina apresentam uma roupagem aparentemente bíblica. Eles citam a Bíblia fora do contexto para adaptá-la aos seus ensinos. O uso do segundo mandamento do Decálogo é um desses exemplos:

Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR, teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem e faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos (Êx 20.4-6).

Os promotores da doutrina da maldição hereditária se apegam à frase explicativa do segundo mandamento: “que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem” (v. 5). A alegação é a seguinte: “A sua Palavra declara que uma maldição pode ser transmitida de geração a geração (Êx 20.3-5)” (HICKEY, 1993, p. 21).

O objetivo dessas palavras explicativas do segundo mandamento do Decálogo é contrastar o castigo para “a terceira e a quarta geração” com o propósito de Deus de abençoar a milhares de gerações, considerando que a “terceira e a quarta geração” representam o número máximo de gerações que vivem juntas na extensão de uma família. O contexto desse preceito é a idolatria, pois o mandamento começa com as palavras: “Não farás para ti imagem de escultura, [...] Não te encurvarás a elas nem as servirás”. Logo, as ameaças sobre as gerações daqueles que aborrecem a Javé são para os descendentes que continuam envolvidos na idolatria dos pais. Quando alguém se converte a Cristo, deixa de aborrecer a Deus; logo, essa passagem bíblica não pode se aplicar aos crentes nascidos de novo (Rm 5.8-10), pois eles se tornaram novas criaturas, “as coisas velhas já passaram, e eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17).

Havia em Israel um provérbio muito antigo: “Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?” (Ez 18.2). Essa máxima parece estar arraigada no segundo mandamento.

Esse dito popular refletia o ceticismo dos exilados na Babilônia, pois se consideravam injustiçados, ou seja, estavam sendo condenados e punidos por causa do pecado dos seus antepassados.

Era uma crítica à justiça divina. “Uvas verdes” são os pecados, e os “dentes embotados” são a consequência deles. Essa máxima aparece de forma literal em Lamentações: “Nossos pais pecaram e já não existem; nós levamos as suas maldades” (5.7).

O conceito de responsabilidade continuada pelos pecados ancestrais era herança do segundo mandamento, uma vez que a continuidade das gerações humanas impede que a pessoa se isole do grupo. Os pecados do povo foram acumulados geração após geração, mas o castigo do cativeiro era responsabilidade daquela geração. O profeta Jeremias exortou a casa real com todos os seus príncipes, os sacerdotes e o povo ao arrependimento, e isso ele fez durante mais de quarenta anos. Sua mensagem foi rejeitada: “E fez o que era mau aos olhos do SENHOR, seu Deus; nem se humilhou perante o profeta Jeremias, que falava da parte do SENHOR” (2 Cr 36.12). Era uma rebelião generalizada contra Deus (2 Cr 36.15, 16). Os profetas Jeremias e Ezequiel rejeitaram esse ditado do povo, mostrando que a responsabilidade é pessoal. Jeremias anunciou que na Nova Aliança nunca mais dirão: “Os pais comeram uvas verdes, mas foram os dentes dos filhos que se embotaram” (Jr 31.19). Note que até em Jerusalém esse dito se propagava. Mas a palavra profética em Ezequiel proíbe desde então esse provérbio, e não no futuro: “Vivo eu, diz o Senhor Deus, que nunca mais direis esta parábola em Israel” (Ez 18.3). Todo o capítulo 18 de Ezequiel gira em torno da responsabilidade individual de cada pessoa diante de Deus: “A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a maldade do pai, nem o pai levará a maldade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a impiedade do ímpio cairá sobre ele” (Ez 18.20). Não há espaço no cristianismo para essa crença estranha da maldição de família.


Não há contradição alguma entre o segundo mandamento e Deuteronômio 24.16. Em Êxodo, trata-se da administração da justiça divina, ao passo que, em Deuteronômio, o propósito é instruir a sociedade israelita sobre os abusos de não condenar nem punir inocentes por causa dos pecados dos pais culpados:

“Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos, pelos pais; cada qual morrerá pelo seu pecado” (Dt 24.16). Esse preceito é aplicado na vida prática posteriormente (2 Rs 14.5, 6).

Outra tentativa para dar roupagem bíblica a essas inovações é a interpretação errônea da expressão “espíritos familiares”. O argumento é o seguinte: “Há uma nova vida, uma nova natureza em você. Mas seus filhos podem herdar seu ponto fraco. Sua geração foi purificada, mas eles têm de purificar-se também!

A maldição precisa ser quebrada neles, ou eles herdarão sua fraqueza, que veio de seu pai e, antes dele, de seu avô e seu bisavô” (HICKEY, 1993, p. 61). Em seguida, aparecem duas citações bíblicas para fundamentar a sua declaração: “Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus...
Quando uma alma se virar para os adivinhadores e encantadores, para se prostituir após eles, eu porei a minha face contra aquela alma e a extirparei do meio do seu povo” (Lv 19.31; 20.6).

O termo “adivinhadores” é substituído por “espírito familiares”, pois a citação é da versão inglesa, a King James Version. Uma vez apresentadas as referências bíblicas, vem a definição de “espíritos familiares”: “São maus espíritos decaídos que se tornaram familiares numa família” (HICKEY, 1993, p. 62).

O termo hebraico usado nas passagens bíblicas citadas aqui para “espírito familiares” é obh, ou obhoth, no plural, que os dicionários e léxicos hebraicos traduzem por “médium, espírito, espírito de mortos, necromante e mágico” (HARRIS e ARCHER, 1998, p. 24); “médium, adivinho, necromante, feiticeiro, espírito dos mortos, fantasma” (VANGERMEREN, vol. 1, 2011, p. 294); “espírito de morto, vaticinador” (HOLLADAY, 2010, p. 7).

O homônimo de obh, palavra de mesma grafia com significado diferente, é “odres” (Jó 32.19). Essa palavra é traduzida apenas uma vez por “espírito familiar” na ARC (Is 8.19) e nenhuma vez na ARA. Trata-se de um termo muito disputado, o que já sinaliza a fragilidade em desenvolver uma doutrina baseada em passagens controversas.

É o relato do encontro de Saul com a médium de En-Dor (1 Sm 28.5-19) que lança luz sobre o significado do termo. Os lexicógrafos mais respeitados e mundialmente reconhecidos como Gesenius, Koehler Baumgartner, David J. A. Clines, entre outros, seguem nessa mesma linha.
O termo obh, seja no singular ou no plural, obhoth, aparece 16 vezes no Antigo Testamento hebraico, assim traduzido na ARC: “adivinhadores” (Lv 19.31; 20.6); “espírito adivinho” (Lv 20.27); “espírito adivinhante” (Dt
18.11); “adivinhos” (1 Sm 28.3, 9; 2 Rs 21.6; 23.24; 2 Cr 33.6; Is 19.3); “espírito de feiticeira” (1 Sm 28.7, 8); “adivinhadora” (1 Cr 10.13); “espíritos familiares” (Is 8.19) e “feiticeiro” (Is 29.4).

A expressão “espírito familiar” aparece cinco vezes na TB para traduzir o hebraico yddeoni, “espírito dos mortos, adivinhador”, que aparece 11 vezes no Antigo Testamento, todas elas combinadas com o substantivo obh (2 Rs 21.6; 23.24; 2 Cr 33.6; Is 8.19; 19.3) A TB, então, combina os termos, traduzindo-os por “espírito familiares e feiticeiros”.

A Septuaginta traduz obh e obhoth 12 vezes por engastrímythos, “adivinho, adivinhador”, literalmente, “ventríloquo”, aquele que faz predições desde o ventre usando a ventriloquia (Lv 19.31; 20.6, 27; Dt 18.11; 1 Sm 28.3, 7 [duas vezes], 8, 9 [duas vezes]; 1 Cr 10.13; 2 Cr 33.6; Is 8.19; 19.3). A expressão “espírito familiar”, ou “espírito familiares”, é uma tradução pouco usada e de origem desconhecida. Muitos dicionários e léxicos não usam a expressão, e pouquíssimos fazem menção dela com ressalva, como “provavelmente chamado ‘familiar’ porque era... como um servo...” (ORR, 1996, vol. II, p. 1094).

2. O mapeamento espiritual
Esse novo movimento, cujos líderes chamam de batalha espiritual ou guerra espiritual, acrescenta ainda no seu bojo a doutrina dos espíritos territoriais. Seus expositores fundamentam essa crença em experiências humanas, nos relatos de missionários, e não na Palavra de Deus. Peter Wagner, no capítulo 3 do livro Espíritos Territoriais, demonstra isso. Em resumo, a doutrina consiste na crença de que Satanás designou seus correligionários para cada país, região ou cidade. O evangelho só pode prosperar nesses lugares quando alguém, cheio do Espírito Santo, expulsar esse espírito maligno. Em decorrência, surgiu a necessidade de uma geografia espiritual, daí o mapeamento espiritual. Os espíritos territoriais são identificados por nomes que eles mesmos teriam revelado com suas respectivas regiões que supostamente comandam.

Clique e acesse
Para sustentar a ideia de que há uma organização territorial, é citada a passagem do apóstolo Paulo: “o deus desse século cegou o entendimento dos incrédulos” (2 Co 4.4). Peter Wagner usa o mesmo método das seitas no sentido de tirar conclusões em mera possibilidade. Ele julga ser possível considerar o termo “incrédulos” como “territórios”, incluindo “nações, estados, cidades, grupos culturais, tribos, estruturas sociais” (p. 72) e, sobre essa falsa premissa, constrói seu pensamento doutrinário.

Ainda de maneira sutil, o autor procura fundamentar sua ideia nas palavras: “príncipe do reino da Pérsia” (Dn 10.13), “príncipe da Grécia” (v. 20), para justificar o mapeamento espiritual. O capítulo 3 da citada obra apresenta até nomes desses supostos espíritos territoriais, os quais teriam revelado a si mesmos como Tata Pembele, Guarda dos Antepassados e Espírito de Viagens, entre outros. Narai seria o espírito chefe na Tailândia. Isso evidencia que os defensores da crença dos espíritos territoriais creem na mensagem demoníaca, e isso é muito perigoso, pois Satanás é o pai da mentira (Jo 8.44).

Não existe vínculo entre a doutrina do mapeamento espiritual e a passagem de Daniel 10.13, 20, pois o texto sagrado trata de guerra angelical, e não há indícios da presença humana. O profeta está completamente alheio a essa batalha, pois seu papel é outro. Os promotores da doutrina dos espíritos territoriais costumam, também, citar a passagem do endemoninhado gadareno (Mc 5.10), quando o demônio, porta-voz da legião, “rogava muito que os não enviasse para fora daquela província”. Isso faz parecer, à primeira vista, que os promotores do tal ensino estão certos.

Mas o texto deve ser interpretado à luz do contexto. A passagem paralela mostra que tal pedido aconteceu porque Jesus havia mandado os tais espíritos para o abismo: “E rogavam-lhe que não os mandasse para o abismo” (Lc 8.31), e por isso eles pediram para ficar na região; não se trata, portanto, de espíritos territoriais. Essas inovações são perturbadoras e destoam completamente do pensamento do Novo Testamento.

Fonte: SOARES, Esequias/ SOARES, Daniele. Batalha Espiritual. O povo de Deus e a Guerra Contra as Potestades do Mal. 1ª edição de 2018 - CPAD
Receba Estudos Bíblicos, Lições Dominical e Novidades! É Grátis. Digite seu E-mail e  clique em Enviar:


Em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de confirmação.

 
Top