FECHAR
CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:
1) Curso de Formação de Missionários Clique Aqui
2) Curso de Qualificação MinisterialClique Aqui
3) Curso Básico em Teologia - Clique Aqui
4) Curso de Secretariado para Igrejas Clique Aqui
5) Capacitação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
6) Curso Avançado de Escatologia Bíblica - Clique Aqui

ESTUDE A BÍBLIA À DISTÂNCIA
CLIQUE AQUI
 

Há trinta e oito anos, o pensador norte-americano Charles Malik proferiu um discurso no Billy Graham Center, que pertence ao campus do Wheaton College, nos Estados Unidos da América. As palavras de Malik estavam carregadas de um forte tom profético, pois mesmo tendo-se passado três décadas, continuam ecoando em nossa geração. Malik advertiu em seu discurso sobre os perigos que o cristianismo enfrentava ao procurar cuidar somente da alma e esquecer totalmente a mente. Mas, as palavras de Malik não eram apenas proféticas, eram também apologéticas. Na sua fala, destacou que o cristianismo tem perdido relevância na cultura ocidental porque não tem conseguido de forma satisfatória dar respostas intelectualmente aceitáveis àqueles que o questionam. Citemos uma parte do seu discurso:

Devo ser franco com vocês: o antiintelectualismo ê o maior perigo que o cristianismo evangélico enfrenta. A mente, compreendida em suas maiores e mais profundas faculdades, não tem recebido suficiente atenção. No entanto, a formação intelectual não ocorre sem uma completa imersão, durante anos, na historia do pensamento e do espírito. Os que estão com pressa de sair da universidade e começar a ganhar dinheiro, trabalhar na igreja ou pregar o evangelho não têm ideia do valor infinito de gastar anos dedicados à conversação com as maiores mentes e almas do passado, desenvolvendo, afiando e aumentando o seu poder de pensamento. O resultado é que o terreno do pensamento criativo é abandonado e entregue ao inimigo. Quem, entre os evangélicos, pode enfrentar os grandes pensadores seculares em seus próprios termos acadêmicos? Quem, entre os estudiosos evangélicos, é citado pelas maiores autoridades seculares como fonte normativa de história, filosofia, psicologia, sociologia ou política? O modo evangélico de pensar tem uma mínima oportunidade de se tornar dominante nas grandes universidades da Europa e da América que modelam toda a nossa civilização com seu espírito e suas ideias? Por uma maior eficácia no testemunho de Jesus Cristo, bem como em favor de sua causa, os evangélicos não podem se dar ao luxo de continuarem vivendo na periferia da existência intelectual responsável”.

E já que essas palavras de Malik se revestem de um significado especial quando sabemos que ele falou para líderes, pastores e formadores de opinião. Em outras palavras, ele as proferiu para aqueles que no dia a dia veem a necessidade de fazerem apologias de suas crenças. Elas põem em relevo o fato de que a nossa fé necessita possuir relevância intelectual no contexto cultural no qual está inserido.

O mundo mudou e a cultura também. Passamos de uma cultura moderna, fundamentada nos princípios do movimento iluminista alemão do século 17 e 18 para uma cultura pós-moderna com raízes lançadas na segunda metade do século 20. Cada um desses modelos culturais possui sua própria cosmovisão, isto é, sua visão de mundo. A cosmovisão determina a forma de pensar das pessoas. No primeiro caso, o movimento iluminista lançou as bases da Modernidade e a sua crença no racionalismo. Nada podia ser considerado válido se não passasse pelo crivo da razão. A ciência ganhou status de deus - surgiu o cientificismo.

No segundo caso a pós-modernidade, movimento surgido nos anos 60 e 70, inverteu o polo das coisas. Não há mais verdade absoluta, mas somente verdades; a ética deu lugar a estética; a razão foi substituída pelo sentimento e Deus pelos deuses.

O apologista que se propõe a fazer uma defesa da fé evangélica no meio desse caldo cultural, mas não mergulhou profundamente na história da tradição cristã, está desqualificado intelectualmente para esse combate. J. P. Morelland (2005, p.15,16) revela as dimensões dessa batalha e a necessidade do apologista cristão estar preparado intelectualmente para enfrentá-la:

O cristão comum não percebe que há uma batalha intelectual sendo travada nas universidades, nas revistas especializadas e nos círculos profissionais. O naturalismo iluminista e anti-realismo pós-moderno uniram-se numa aliança profana contra uma cosmovisão amplamente teísta e especificamente cristã. (...) Os cristãos não podem ficar indiferentes ao resultado dessa luta. Pois a instituição específica mais importante que forma a cultura ocidental é a universidade. Nela, futuros líderes políticos, jornalistas, professores, executivos empresariais, advogados e artistas serão instruídos. E na universidade que eles formularão ou, ainda mais provável, simplesmente absorverão a cosmovisão que moldará a vida deles. E como eles são os formadores de opinião e os líderes que influenciam nossa cultura, a cosmovisão que assimilarem na universidade será a que formará a cultura. Se a cosmovisão cristã pudesse ser restabelecida no lugar de destaque e respeito na universidade, isso teria um efeito de fermentação no meio da sociedade. Se mudarmos a universidade, mudaremos nossa cultura por intermédio dos que a moldam. (...) Uma das desafiadora tarefa dos filósofos cristãos é ajudar a mudar a tendência intelectual contemporânea de tal modo a favorecer um ambiente socio-cultural onde a fé cristã possa ser considerada uma opção intelectualmente aceitável por homens e mulheres esclarecidos.”

Alister McGrath (2008, p. 16), um dos maiores apologistas contemporâneos, destaca que “A arte da apologética eficaz é trabalhosa, uma vez que exige a um só tempo o domínio da tradição cristã, a capacidade de ouvir sem preconceitos e a disposição de fazer o esforço necessário para expressar ideias nesse nível, e tudo isso de tal forma que o público possa se beneficiar dele. E trabalho árduo, mas os resultados justificam o investimento nesse tipo de rigor intelectual e preocupação pastoral”.

Por outro lado, o apologista não pode alimentar apenas o intelecto, ele necessita alimentar também o espírito. Como bem observou McGrath (2008, p.15), “o cristianismo deve se distinguir por sua relevância para a vida. E não apenas por sua racionalidade.” Isso será feito com um conhecimento profundo das verdades reveladas nas Sagradas Escrituras. E de causar espanto quando ficamos sabendo que o reformador suíço Ulrich Zuínglio (1484-1531) decorou todas as cartas de Paulo em grego, sendo capaz de copiá-las na íntegra, e muitos dos nossos “teólogos” contemporâneos nem mesmo leram a Bíblia toda. Alguns conhecem superficialmente as línguas bíblicas e as citam de forma imprecisa.

Não esqueçamos as palavras bíblicas que nos alertam para a necessidade de estarmos preparados bíblica e intelectualmente na defesa da nossa fé: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15).

Reverberação? Escola Bíblia ECB | Fonte: Jornal Mensageiro da Paz, Novembro de 2010 | Artigo: Pr. José Gonçalves

Receba Estudos Bíblicos, Lições Dominical e Novidades! É Grátis. Digite seu E-mail e  clique em Enviar:


Em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de confirmação.

 
Top